Header Ads

Em J.K. nós confiamos... ou não.


Não é de hoje que a relação da autora J.K. Rowling e os seus fãs vem sendo colocada em pauta. Estas discussões não se atém somente aos grupos de discussão na internet, ou redes sociais como Twitter, mas os próprios portais, responsáveis pelo fan service da saga, vem promovendo este debate, que se estende aos eventos e encontros de fãs. O que acontece é que muito se discutiu, muito se esperou, e a autora responsável pela criação do Mundo Mágico vem mostrando um lado que, até então era desconhecido por grande parte do fandom.

Dito isso, o site MuggleNet, famoso por ser um dos grandes portais de notícias referente ao Mundo Mágico de Rowling, publicou um artigo sobre a relação de J.K. com o fandom. O artigo é bem polêmico, e aborda diversos temas importantes.

Confira a tradução na íntegra:

Em J.K. nós confiamos... ou não.

by hpboy13

O relacionamento de J.K. Rowling com seus fãs tem sido uma coisa fascinante de se observar ao longo dos anos, e os recentes eventos que cercam a sexualidade de Dumbledore têm sido mais esclarecedores sobre o posicionamento J.K. com o fandom. Em todo o burburinho, encontrei uma coisa mais marcante: J.K. já não tem o benefício da dúvida do fandom Potter. E comecei a considerar como foi que chegamos a este ponto.

Para aqueles que não podem acompanhar o ciclo de notícias: a Entertainment Weekly conversou com o diretor David Yates, que por sua vez, em sua forma usual, tão tácita, disse que Dumbledore não seria "explicitamente" referenciado no filme porque "todos os os fãs já estão conscientes da sexualidade de Dumbledore". Isso se tornou um pesadelo de relações públicas, uma vez que se empilhou em cima de coisas já contenciosas como o debate a respeito de Johnny Depp e a fase de de "A Criança Amaldiçoada". Os fãs em todo o espectro, desde anônimos no Twitter até os webmasters de fã sites, escreveram mensagens que execram Yates e a franquia Potter. Mas desta vez, J.K. esteve incluída na ira das pessoas.

O que me impressionou foi que esse era o tipo de novidades que os fãs poderiam ter “varrido para baixo do tapete” antes. Os comentários são relativamente vagos: o que constitui uma referência "explícita"? Como serão os futuros filmes? Quão preciso é o relatório da Entertainment Weekly? Dado que a própria Entertainment Weekly estave entre os piores infratores da epidemia de "Rowling escreve a nova história de Harry Potter!". Artigos que surgiram sempre que um erro de digitação era consertado no Pottermore... por que não havia presunção de boa intenção de J.K.? Parecia que o fandom havia assumido a mesma posição que a Forbes: que quando J.K. revelou a sexualidade de Dumbledore, "Sra. Rowling escreveu um cheque que nunca esperava ter que depositar.”.

Antes de começar, isenções: eu não falo sobre todos os fãs porque, obviamente, o fandom não é uma entidade monolítica. Por tudo o que sei, as respostas recentemente foram a de uma minoria muito alta, em vez da maioria. Mas eu ainda acho que vale a pena explorar como uma parte do fandom que perdeu fé em seu criador.

Jo durante a Idade do Ouro e Interregnum


Na década de 2000, J.K. conseguiu não cometer quase nenhum erro. Ela escreveu os incríveis livros da saga Harry Potter para nós e ficou incrivelmente reconhecida por seus esforços de caridade. Ela também se tornou mais acessível do que quase todos os autores haviam sido; em vez de o autor ser um nome em uma página, aqui estava uma que postava em seu site, respondendo nossas perguntas, e até nos pediu para chamá-la pelo primeiro nome. Isso não acontecia naquele tempo, e isso levou a muitos ensaios em meados dos anos 2000 sobre o papel de um autor na interpretação de suas obras para os fãs.

Com o passar dos anos, todos nos curvamos no altar de J.K. Rowling. O fandom de Harry Potter veio representar uma parcela maior de nossas vidas ao longo do tempo, e nós damos este crédito para J.K. Mesmo quando houve um recesso (como depois das Relíquias da Morte em 2008), o fandom permaneceu leal. Parecia assegurado que o fandom de Harry Potter era o fandom de J.K. Rowling e sempre seria.

Mas, quando o ano de 2010 chegou, as coisas começaram a mudar. Pela primeira vez, J.K. começou a decepcionar-nos. Ela costumava ser tão cuidadosa com o conteúdo que lançava, mas o Pottermore era uma bagunça. Sua escrita sempre foi irrepreensível, mas “Morte Súbita” foi absolutamente horrível. No entanto, a atitude predominante parecia ser decepcionante de que J.K. fosse tão humana quanto o resto de nós e poderia cometer erros.

As coisas ficaram interessantes em 2014 quando J.K. se tornou ativa no Twitter. J.K. revelou-se surpreendentemente política, lutando constantemente com os “trolls” da maneira como nos ensinaram a não fazer pelo bem de nossa sanidade. Em geral, no entanto, parecia que os fãs estavam felizes por ter acesso a ela e não se importavam nem se preocupavam com a política. O tom dos tweets para ela parecia consistente com o culto ao herói que cultivávamos para ela.

Harry Potter e a Criança Amaldiçoada


A mudança não se acelerou até que a Era do “Revival Potter" que começou em 2016. O ambiente era diferente. Jo tinha finalmente soltado seu aperto draconiano em sua marca e abriu as comportas para o novo conteúdo Potter. Enquanto isso, o fandom crescera. Os fãs aprenderam a pensar por si mesmos e a pensar criticamente sobre o seu fandom. Eu até percebi isso em resposta às minhas colunas - quando comecei em 2011, os fãs que antes agarrariam seus forcados cada vez que ousei criticar algo nos livros; agora fazem um debate animado na seção de comentários.

Mas a geração de Harry Potter também foi intitulada - isso não é um julgamento, isso é uma observação. Eles se sentiram autorizados a ter acesso a todos os conteúdos sempre que desejassem, crescendo com a Internet, e a decisão de fazer "Harry Potter e a Criança Amaldiçoada" inacessível em grande parte do mundo não passou bem. Isso não foi ilustrado em lugar algum como na controvérsia #Wormtaily. A última vez em que J.K. denunciara um fã - em meio ao recesso de 2008 - o fandom estava quase totalmente do lado dela, sem perguntas, sem questionamentos. Desta vez, os fãs não estavam tendo o que queriam. Jo já não conseguiu ditar o conteúdo ao fandom - e se ela não tornasse "A Criança Amaldiçoada" acessível, os fãs ficariam ao lado daqueles que a criticavam.

A geração que acompanhou Harry Potter também sentiu o direito a representação na ficção que eles consumiram. Se as séries de Harry Potter recebessem principalmente um passe como produto de seu tempo e gênero, não haveria tal anistia no futuro. Então, os fãs ficaram furiosos ao ler a Criança Amaldiçoada: apesar de pairar uma bandeira arco-íris ao lado do Teatro Palace, o roteiro se lançou como "No homo!" na hora undécima hora entre Alvo e Scorpius, mantendo o mundo bruxo totalmente desprovido de homossexualidade nas páginas. Em 2007, dizer "Dumbledore é gay" em uma entrevista foi um momento decisivo para a representação LGBT; que em 2016, já não era boa o suficiente.

A Criança Amaldiçoada mudou a relação entre J.K. e o fandom de uma outra maneira: foi o primeiro controle de cânone que foi retirado das mãos de J.K. Até então, tudo o que J.K. tinha adicionado ao cânone tinha sido aceito - às vezes de má vontade, mas sempre aceito. Afinal, era o mundo dela - o controle dela parecia axiomático. Mas "A Criança Amaldiçoada" era tão horrível, que o fandom rejeitou. (Com todo o devido respeito aos que gostaram... você é a pequena minoria, como tenho certeza que você sabe.) Quando J.K. insistiu no Twitter que a peça era cânone, esse único tweet matou todo o conceito de um cânone para Harry Potter.

Eu pensei em fazer isso em um outro artigo, mas sim, eu serei breve. O que é cânone? É algo que a maioria das pessoas pode concordar como o texto "oficial". Se as pessoas não concordam sobre o que é cânone, então o próprio conceito de ter um cânone é inválido. Desde que J.K. tentou fazer "A Criança Amaldiçoada" um cânone e os fãs estavam divididos sobre o fato de ser ou não, não houve de fato nenhum cânone de Harry Potter. Podemos argumentar sobre se deve ou não ser cânone, mas se concordarmos com o fato de que não estamos de acordo, então, descanse em paz cânone.

Muitas vezes me pergunto se Jo tivesse produzido (ou sancionado) algo tão ruim como "Harry Potter e a Criança Amaldiçoada" anos antes, o fandom teria sido mais complacente? Sempre teríamos rejeitado a Criança Amaldiçoada? Ou essa rejeição era um subproduto de seu momento no tempo? Alimento para o pensamento. Mas o meu principal pensamento é que a Criança Amaldiçoada abriu as comportas para atitudes no relacionamento dos fãs com J.K. Rowling. J.K. tinha sido protegida da ira dos fãs sobre os filmes, associando-se a eles apenas remotamente; se ela decidiu colocar seu nome em A Criança Amaldiçoada, ela colheria as consequências.

Animais Fantásticos: Crimes de Johnny Depp


Da mesma forma que "Morte Súbita" havia envenenado o poço para Cormoran Strike, o acolhimento frio de "A Criança Amaldiçoada" deu o tom para as reações a Animais Fantásticos. Agora que os fãs tinham experimentado uma adição ao Potterverse que era de baixa qualidade, eles entraram em Animais Fantásticos com uma dose saudável de ceticismo que teria sido impensável se fosse a primeira entrada "pós-Relíquias da Morte" no Mundo Mágico. Mesmo que a maioria dos fãs gostassem, não havia aceitação da carte blanche como a melhor coisa, simplesmente porque era feita por J.K Rowling.

Eu estava interessado em ver as respostas ao meu último artigo, "Animais Fantásticos: Crimes de Repetir a Série Potter". Era o tipo de artigo pessimista que teria me tachado na internet em um tempo menos cínico. Em vez disso, os comentários foram divididos quase no meio entre preocupação e fé em J.K. Eu achei isso muito bom.

Isso nos leva aos últimos meses, onde a erosão da confiança em J.K. colidiu com a política atual de uma maneira muito ruim. Johnny Depp, em um ato de pouca inspiração do casting, tornou-se um dos líderes da franquia "Animais Fantásticos", assim como ele foi tarjado pelo #EuTambém e o escândalo de abuso sexual de Hollywood. A geração de Harry Potter, além de sua propensão habitual para a justiça social (fomentada em parte pelos próprios livros de Potter), ficou completamente apurada após um ano de governo de Donald Trump. Certo ou errado, Depp foi presumido culpado até ser comprovado inocente, e a franquia Harry Potter foi para a defensiva nas relações públicas.

Essa pode ter sido a última vez que J.K. Rowling recebeu o benefício da dúvida dos fãs. Mesmo que alguém a culpe por todas as coisas que acabei de escrever - questões de acessibilidade, controle de qualidade, representação LGBT, etc. - os fãs estavam dispostos a acreditar que a escalação de Depp estava fora de suas mãos. Parte disso era o condicionamento de uma década de absolvição de responsabilidade pela incomodidade dos filmes de Harry Potter; o meio cinematográfico aqui fez os fãs reverter para seus velhos padrões. Parte disso foi apenas otimismo resoluto e fé na mulher que moldou todas as nossas vidas para melhor, da mesma forma que tentamos dissociar J.K. de A Criança Amaldiçoada, dizendo que ela não a escreveu. Mesmo quando David Yates colocou o pé em sua boca e todos no mundo jogaram os dois centavos sobre a escalação de Depp,  J.K. permanecia fora disto, poderíamos esperar que não fosse culpa dela.

Então J.K. saiu com sua declaração. A parte saliente é lida: "Com base na nossa compreensão das circunstâncias, os cineastas e eu não estamos apenas satisfeitos com o nosso elenco original, mas estamos realmente felizes em ter Johnny interpretando um personagem principal nos filmes". Para bem ou para mal, J.K. estava tomando a responsabilidade para si de ter Depp nos filmes.

Há dez anos, os fãs teriam assentido e sorrido em concordância que J.K. sabia o que era melhor.

Dois anos atrás, teríamos assumido que ela estava tentando o que é certo por nós, mesmo que não se revelasse ótimo.

Agora, a boa vontade não era suficiente. Nós não engolimos as palavra de J.K. Ela disse que estava por trás da decisão, mas não do por quê. "Não se importem, apenas confiem em mim!" Não era suficiente quando a maioria das pessoas já haviam se decidido por Johnny Depp. Mesmo que não fossem todos os fãs - minha colega Catherine H. tem um artigo maravilhoso defendendo o outro lado - era uma parcela bastante grande para ditar o discurso sobre o assunto. Os fãs esperavam o melhor de J.K., e ela os decepcionou bastante.

J.K. em 2018


Isso nos leva ao “bafafá” desta semana, sobre Dumbledore sendo gay. Depois de relembrar os últimos dois anos, torna-se evidente por que J.K. já não tem o benefício de nossa dúvida. Em primeiro lugar, ela tomou posse da franquia "Animais Fantásticos", tanto em geral como com a declaração sobre Depp. Ela está envolvida, então essas decisões não são tomadas por outras pessoas - ela é responsável. Em segundo lugar, ela sancionou o apagamento da homossexualidade em A Criança Amaldiçoada, então há um precedente para ela estar bem com não representar a sexualidade dos personagens.

De certa forma, seus problemas de relações públicas vieram precisamente porque ela sempre foi meticulosa sobre gerenciar sua marca na década de 2000. Os fãs estão tem a impressão, certa ou não, de que J.K. é poderosa o suficiente para fazer o que quiser. Se J.K. Rowling dissesse que tirasse a tarja de "No Homo!" da Criança Amaldiçoada, teria sido feito. J.K. reforçou isso quando anunciou, do nada, que Animais Fantásticos seria uma série de cinco filmes - sem deixar claro com o diretor, produtor ou (presumivelmente) a Warner Bros. Estes filmes custam US $ 200 milhões cada. J.K. é provavelmente a única pessoa no mundo que pode anunciar unilateralmente que ela está fazendo alguns filmes extras, onde cada um custa US $ 200 milhões cada e todos envolvidos se esforçam para escrever cheques sem mais perguntas.

E, embora isso possa ser insignificante em comparação com os fatores acima, devemos considerar que a boa vontade de J.K. acumulada durante a série Harry Potter foi amortizada ao longo do tempo. Independente da sua reação a Animais Fantásticos, a última vez que J.K. produziu algo que todo o fandom consumiu e amou foi em torno de 2008, então a boa vontade só foi altamente corroída por quase uma década.

JK. parecia honestamente surpresa com algum dos tweets dirigidos a ela nesta semana. É fácil ver por que ela ficou surpresa; costumávamos ter fé suficiente para esperar para consumir uma história antes de criticar, fé suficiente para aguardar a conclusão de uma série e fé suficiente para assumir que as decisões precárias vieram dos cineastas e não dela. Mas o gerenciamento da marca desde 2016 tem sido abismal, e parece que o impensável está finalmente acontecendo: J.K. está perdendo seus fãs.

Quais são seus sentimentos em relação a J.K.? Ela ainda é seu ídolo, você está desencantado (a) com ela, ou você (como eu) desceu para algum lugar do meio termo?

[+] Traduzido do site MuggleNet.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.