Header Ads

J.K. Rowling fala como ela foi convencida a autorizar "A Criança Amaldiçoada".

Debra Hurford Brown/JK Rowling

Esta semana, o jornal New York Times publicou um artigo com novas declarações da autora J.K. Rowling sobre a peça "Harry Potter e a Criança Amaldiçoada". Nela, a criadora do Menino que Sobreviveu, revelou o motivo exato pelo qual ela aceitou especificamente essa proposta em vez de muitas outras que recebeu antes para levar o Mundo Mágico ao teatro.

Para não te deixar fora do contexto, traduzimos um fragmento do artigo do New York Times que explica tudo:

Foi a Sra. Sonia Friedman e o Sr. [Colin] Callender, que, há seis anos, trouxeram a ideia de um trabalho para a Sra. Rowling, mesmo quando ela já havia rejeitado consistentemente propostas para criar versões teatrais de suas novelas. "A maioria das ideias eram sobre musicais, as quais eu não amo", disse a Sra. Rowling, "ou refazer, readaptar os livros para o teatro, eu não estava interessada em fazer Harry para todos os meios". Sua proposta era diferente. Eles sugeriram estender a história e criar um novo emprego, o que intrigava a Sra. Rowling. "Falamos sobre perda, medo, tristeza, como se sente ao começar uma família quando a sua é pobre ou inexistente", disse ela. "Eu estava realmente interessada em fazer algo mais reflexivo do que o que seria possível nos filmes. Eu não acho que nos desviamos dessas questões". A Sra. Rowling disse que estava claro de que se comprometeria com o projeto se pudesse trabalhar com um roteirista que ela indicaria Depois que a Sra. Friedman se aproximou do Sr. [John] Tiffany (vencedor de um Tony para "Eleven") para dirigir, ele sugeriu o Sr. [Jack] Thorne, um auto-proclamado nerd do mundo Harry Potter com quem ele tinha colaborou na peça adolescente de vamipiros "Let the Right One In". "Quando conheci John e Jack, acho que soube rapidamente que a peça seria centrada em torno de Alvo", disse a Sra. Rowling, acrescentando que "sempre esteve interessada em Alvo Severo, ele era o que eu pensava. Imagine ir para Hogwarts com esses dois nomes... É por isso que eu o coloquei!" O Sr. Thorne acrescentou: "Demora um pouco para que Harry perceba por que esses nomes são um fardo, que, do ponto de vista de um dramaturgo, é incrível".

J.K. Rowling e os produtores de "Harry Potter e a Criança Amaldiçoada" também aproveitaram a oportunidade de falar sobre a chegada da peça à Broadway. Os três comentaram que o trabalho que será apresentado de forma muito parecida com a versão londrina, mas isso não vai tocar o coração para adaptá-lo se o for necessário.

Tiffany comentou:

Se vemos que o público não está entendendo nada, obviamente vamos ajustá-lo, estamos trabalhando no show, e há certas coisas sobre a arquitetura do teatro Lyric que indicam que algumas coisas vão mudar. Diferentes tipos de possibilidades, e eu quero explorá-las todas.

Ao ouvir isso, J.K. Rowling acrescentou com uma risada:

Nunca deixe uma possibilidade inexplorada.

A peça "Harry Potter e a Criança Amaldiçoada" será apresentada no Lyric Theatre, em Nova York, a poucos metros da Times Square, a partir de 16 de março. Você pode comprar ingressos para o primeiro ano de apresentações nos Estados Unidos através do sistema Ticketmaster.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.