Header Ads

Porque Alvo Dumbledore vê Gellert Grindelwald no Espelho de Ojesed?


Com a liberação do segundo trailer de "Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald", nada mais comum que o surgimento de rumores, dúvidas, especulações, e claro, questionamentos. Afinal, estamos lidando com o Mundo Mágico de J.K. Rowling, este que é revisitado diariamente por milhares de fãs, causando um estreitamento invejável entre público e obra. Sabemos que J.K. Rowling, a autora e roteirista de ambos trabalhos é a única - ou deveria ser - que sabe de todos os pontos que se interligam, e sabe ainda mais sobre essa expansão, mas o estreitamento dos fãs com o Mundo Mágico vem produzindo verdadeiros especialistas sobre o assunto.

Assim, essa expansão nos apresenta novos personagens, novos animais, novas ambientações e novas possibilidades. Algumas que ainda só habitam a cabeça de Rowling. É confiável afirmar que não sabemos 1% do que se passa em sua genialidade, mas é notório que diante de tudo que nos vem sendo apresentado, a nova saga vem tomando um viés cada vez mais político, deixando em segundo plano os propriamente ditos Animais Fantásticos. Basta olhar o trailer, os pôsteres e o material promocional que foi despejado/divulgado durante essa semana.

Somando tudo isso a declaração do ator Jude Law à revista Entertainment Weekly, na qual ele descreveu a personalidade de Alvo Dumbledore em Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald, e sanou algumas dúvidas sobre as aulas de Transfiguração, alguns fãs começaram a questionar à produção do filme em relação ao respeito com o cânone já estabelecido em Harry Potter.

Ele não ensina Transfiguração, na verdade, ainda não. Nesta fase de sua carreira, ele não está fazendo isso. Não tenho certeza se posso dizer o que ensina...

Com a chegada do novo trailer, as chamas que aos poucos vinham adormecendo nos fãs se acenderam, e com esse atiçamento das brasas, novos questionamentos surgiram. Pegando as perspectivavas que abarcaram verdadeiros debates nos grupos e rodas de conversas sobre o Mundo Mágico, será mesmo que Animais Fantásticos está passando por cima do cânone já estruturado em Harry Potter? Bem, sobre isso, precisaremos de um pouco mais de tempo para ver a completude de Animais Fantásticos. Sobre outras questões, e a mais urgentes delas, temos: porque diabos Alvo Dumbledore vê Gellert Grindelwald no Espelho de Ojesed?

Fomos buscar isso nos livros, claro. Onde apareceram as menções ao Espelho de Ojesed na saga? O que é o Espelho de Ojesed? Porque aparentemente houve uma mudança no que Dumbledore vê no espelho? Ele mentiu ou com tudo resolvido e superado ele pode ter passado a ver outra coisa no espelho?


Como sabemos, o Espelho de Ojesed é um objeto que, de acordo com Alvo Dumbledore, mostra o mais profundo e mais desesperado desejo de nosso coração. O nome "Ojesed" é "desejo" escrito ao contrário, como se refletido em um espelho. Ainda segundo o canon, a pessoa mais feliz do mundo olharia no espelho e se veria exatamente do jeito que era.

Dizem que a inscrição do espelho foi feita em uma língua estrangeira pouco conhecida, mais se observada com atenção ela diz "Não mostro o seu rosto mas o desejo em seu coração" de trás para frente: Oãça rocu esme ojesed osamo tso rueso ortso moãn.

Diante disso, vamos pegar dois trechos onde encontramos menções à Alvo Dumbledore com o Espelho de Ojesed:

– Então, outra vez aqui, Harry?
Harry sentiu como se suas tripas tivessem congelado. Olhou para trás. Sentado em uma das mesas junto à parede estava ninguém menos que Alvo Dumbledore. Harry devia ter passado direto por ele; tão desesperado estava para chegar ao espelho, que nem reparara.
– Eu... eu não vi o senhor. – É estranho como você pode ficar míope quando está invisível – disse Dumbledore, e Harry sentiu alívio ao ver que ele sorria.
“Então”, continuou Dumbledore, escorregando da cadeira até o chão para se sentar ao lado de Harry, “você, como centenas antes de você, descobriu os prazeres do Espelho de Ojesed.”
– Eu não sabia que se chamava assim, professor.
– Mas espero que a essa altura você já tenha percebido o que ele faz?
– Bom... me mostra a minha família...
– E mostrou o seu amigo Rony como chefe dos monitores.
– Como é que o senhor soube?
– Eu não preciso de uma capa para me tornar invisível – disse Dumbledore com brandura. – Agora, você é capaz de concluir o que é que o Espelho de Ojesed mostra a nós todos?
Harry sacudiu negativamente a cabeça.
– Deixe-me explicar. O homem mais feliz do mundo poderia usar o Espelho de Ojesed como um espelho normal, ou seja, ele olharia e se veria exatamente como é. Isso o ajuda a pensar?
Harry pensou. Então respondeu lentamente:
– Ele nos mostra o que desejamos... seja o que for que desejemos...
– Sim e não – disse Dumbledore. – Mostra-nos nada mais nem menos do que o desejo mais íntimo, mais desesperado de nossos corações. Você, que nunca conheceu sua família, a vê de pé à sua volta. Ronald Weasley, que sempre teve os irmãos a lhe fazerem sombra, vê-se sozinho, melhor que todos os irmãos. Porém, o espelho não nos dá nem o conhecimento nem a verdade. Já houve homens que definharam diante dele, fascinados pelo que viram, ou enlouqueceram sem saber se o que o espelho mostrava era real ou sequer possível.
“O espelho vai ser levado para uma nova casa amanhã, Harry, e peço que você não volte a procurá-lo. Se algum dia o encontrar, estará preparado. Não faz bem viver sonhando e se esquecer de viver, lembre-se. E agora, por que você não põe essa capa admirável outra vez e vai dormir?”
Harry se levantou.
– Senhor, Prof. Dumbledore? Posso lhe perguntar uma coisa?
– Obviamente você acabou de me perguntar – sorriu Dumbledore. – Mas pode me perguntar mais uma coisa.
– O que é que o senhor vê quando se olha no espelho?
– Eu? Eu me vejo segurando um par de grossas meias de lã.
Harry arregalou os olhos.
– As meias nunca são suficientes. Mais um Natal chegou e passou e não ganhei nem um par. As pessoas insistem em me dar livros.
Foi somente quando estava de volta à cama que ocorreu a Harry que talvez Dumbledore não tivesse dito a verdade. Mas, pensou, enquanto empurrava Perebas para longe do seu travesseiro, fizera uma pergunta muito pessoal.


Harry Potter e a Pedra Filosofal, cap. 12, pág. 185

A icônica frase onde Dumbledore diz que se vê "segurando um par de grossas meias de lã", foi apenas uma inocente desculpa para um jovem rapaz que não entenderia as complexidades do coração do velho professor.

No primeiro livro da saga, o personagem Harry Potter ainda não conhece a história de vida de seu professor, e observando esse aspecto a partir das teorias literárias, estamos limitados ao que Harry sabe, ou seja, quase nada. O Mundo Mágico é um mundo expansivo, e nós estamos vendo, ouvindo - e sentindo - tudo pela narração do Harry, um menino que a pouco tempo não sabia da existência de todo aquele universo, sendo assim, nós vemos o que o Harry vê, sabemos o que ele sabe, e tudo é nos dado a partir de um ponto de vista bem limitado. Tudo ficaria mais claro se houvesse um narrador onisciente, aquele narrador "fofoqueiro" que sabe de tudo, e te conta tudo. Porém ainda é louvável que a J.K. tenha mantido um narrador em primeira pessoa (o Harry) pois, vamos descobrindo tudo que precisamos descobrir junto com o personagem.

Levando em consideração esses aspectos, só vamos descobrir as complicadas relações amorosas ou de culpa de Dumbledore, com o decorrer da saga, e até chegar nesse ponto, as meias de lã foram uma verdade não só para Harry, mas também para a maioria dos fãs. Foi somente uma excentricidade vinda de um professor conhecido por ser excêntrico, e por vezes, biruta.

Tudo isso fica explicado no capítulo trinta e cinco de "Harry Potter e as Relíquias da Morte", onde num diálogo entre Harry e Dumbledore, J.K. Rowling deixa uma pista sobre a suposta mentira inocente de Dumbledore no primeiro livro.

Veja o trecho abaixo:

“Ah, não de morrer”, explicou Dumbledore em resposta ao olhar indagador de Harry. “Não do que ele pudesse me fazer usando a magia. Eu sabia que nos equiparávamos, talvez eu fosse até um tantinho mais talentoso. Eu temia a verdade. Entende, eu nunca soube qual de nós, naquela última luta horrenda, havia realmente lançado o feitiço que matara minha irmã. Você pode me chamar de covarde: e teria razão. Harry, eu temia mais que tudo o conhecimento de que fora eu o causador de sua morte, não apenas por causa da minha arrogância e estupidez, mas que eu, de fato, tivesse dado o golpe que lhe tirara a vida.
“Acho que ele sabia disso, acho que sabia o que me apavorava. Adiei o confronto com ele até que finalmente fosse demasiado vergonhoso resistir por mais tempo. As pessoas estavam morrendo, e ele parecia irrefreável, e tive que fazer o que pude.
“Bem, você sabe o que aconteceu a seguir. Ganhei o duelo. Ganhei a varinha.”

Novo silêncio. Harry não perguntou se algum dia Dumbledore havia descoberto quem matara Ariana. Não queria saber, e menos ainda que o diretor se visse obrigado a lhe dizer. E, finalmente, ele soube o que Dumbledore teria visto no Espelho de Ojesed, e por que compreendera tão bem a fascinação que o objeto exercia sobre Harry.
Eles se sentaram em silêncio por muito tempo, e o choro da criatura às suas costas praticamente deixou de incomodar Harry.

Harry Potter e as Relíquias da Morte, cap. 35, pág. 558


É de conhecimento de todos que J.K. Rowling não dá um ponto sem nó - exceto em "Harry Potter e a Criança Amaldiçoada", onde nada faz sentido, e onde nada foi escrito por ela - mas não seria nenhuma surpresa que a autora trouxesse esse tema para ser aclarado, já que é nesta saga que iremos entrar a fundo no relacionamento conturbado de Dumbledore e Grindelwald. Possivelmente, o Espelho de Ojesed é quem irá responder aos questionamentos internos do Dumbledore sobre a possibilidade/capacidade dele mesmo ir atrás do seu inimigo e destruí-lo. Se for realmente assim, o espelho mostrará que ele não está pronto, até o momento em que é demasiado vergonhoso resistir por mais tempo, e vendo as pessoas morrendo, ele teve que fazer o que pôde.

Se o que Dumbledore vê o espelho muda depois da batalha, só o decorrer da saga irá nos dizer, ou caso a própria autora venha esclarecer esse tipo de dúvida nas redes sociais ou entrevistas. Nesse sentido, a saga aparentemente está seguindo o cânone de Harry Potter, já que tudo que é antes a primeira saga, é ainda desconhecido nos pequenos detalhes.

Esse artigo pode ou não estar concluído, na verdade, eis aqui uma chance de construção de conhecimento. Caso você discorde, ou concorde, ou tenha outro ponto de vista, poderá deixar um comentário e acrescer este debate.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.