Header Ads

Lendo nas Entrelinhas #02


E hoje temos a segunda parte. Só peço que não me xinguem, se discordam de algo, sintam-se a vontade para deixar um comentário.

Tiago Potter era um otário:

Acho que todo mundo gostaria de assistir as aventuras dos Marotos na TV ou no cinema, entretanto acho que vai ser preciso um pouco de esforço para tentarem transformar o papai do Harry em alguém simpático. Pelo que é descrito ao longo da série, o senhor Potter parece uma versão do Draco que acabou indo parar na Grifinória. Em outras palavras, um babaca. Um sujeito muito convencido e mimado, afinal veio de uma família rica e desfrutou de todos os luxos que só o dinheiro pode proporcionar. Nunca precisou trabalhar. Tiago provavelmente é a pessoa que Snape mais odiou em toda sua vida, até mais do que Voldemort, o assassino de Lílian. Anos de bullying e a perda de seu grande amor transformaram o "Ranhoso" em um homem amargo.

Devemos levar em conta que Tiago amadureceu com o tempo e nem era tão ruim assim, afinal ele demonstrou um grande senso de amizade para com Lupin e Pettigrew (o que acabou sendo um grande erro, vejam só), dois sujeitos completamente diferentes dele e do Sirius, mais isso não apaga o grande histórico dele sendo um babaca.

Lílian Potter era uma santa:

Ao contrário de seu marido, a senhora Potter parece quase uma pessoa irreal, sem defeitos, uma verdadeira santa. Normalmente descrita como a mulher e mãe perfeita, era muito amada pelos pais, virou alvo de uma inveja doentia da própria irmã, se tornou a paixão de uma vida toda de um solitário professor de poções, conquistou um dos alunos mais populares e ricos de Hogwarts (e olha que ela nem se esforçou) e ainda protegeu com a sua própria vida, sem ao menos pensar duas vezes, seu único filho, envolvendo-o em uma magia de proteção muito antiga da qual pouco sabemos mas que se originou de amor materno puro. Vocês perceberam que as conquistas de Harry como "O Eleito" e "O menino que Sobreviveu" são não verdade conquistas da sua mãe? Muita perfeição as vezes tornam o personagem pouco palpável e difícil de se acreditar.

O amor está no ar:

Já que estou falando de Tiago e Lílian, algo muito superficial na série são as relações amorosas. Eu sei que esse nunca foi o foco da autora, mas a maioria dos romances de HP são muito idealizados. Hermione se casou com seu primeiro namorado que ela conheceu na escola (aquilo que rolou com o Vítor eu não conto como namoro), provavelmente Lílian também. Harry, Rony e Gina nem tanto, tiveram relacionamentos rápidos antes de ficarem com os verdadeiros amores de suas vidas, que mais tarde lhes renderiam casamentos duradouros e, aparentemente, sem traições. O casamento de Arthur e Molly sempre perdurou ante as crises e dificuldades, Tonks foi capaz de ignorar a condição de Lupin por pura paixão. Engraçado que o relacionamento que eu mais gosto na série são justamente de dois "vilões": Lúcio e Narcisa Malfoy.

Atração sexual quase não existe, e olha que estamos falando de um lugar entupido de adolescentes cheios de hormônios e com muitos lugares escondidos disponíveis. Harry só desejou duas mulheres durante sua vida toda e sempre enxergou Hermione como uma irmã. Os professores são praticamente celibatários, Dumbledore nunca saiu do armário por medo do preconceito que sofreria e Snape provavelmente morreu virgem.

Casa da mãe Joana:

Na teoria tudo é muito bonito, Grifinória é a casa da coragem e lealdade, Sonserina da astúcia e ambição, Corvinal da inteligência e LufaLufa do trabalho árduo e bondade. Já na prática vemos coisas diferentes. Grifinória é para onde são mandados os protagonistas e qualquer um que precise se relacionar com eles. Sonserina é a casa dos vilões, mesquinhos e superficiais. Corvinal e Lufa-Lufa são para onde vão os "outros", os menos importantes e que pouco ou nada irão interferir na trama. Um exemplo é a Hermione, ela é uma Corvinal de alma, mas como sabemos dificilmente ela formaria uma amizade tão forte se estivesse em uma casa separada do Harry, que só viria a se relacionar verdadeiramente com garotas da Corvinal após conhecer Cho e Luna, portanto Hermione foi mandada para a Grifinória por pura força de roteiro. Alguns personagens são criados para serem "as exceções" e mostrar pra gente que a regra não é absoluta, como o Cedrico, um Lufa-Lufa não apagado, corajoso e amado pelos holofotes, mas sabemos onde isso vai dar. E nem vou comentar o caso do Pettigrew, o total oposto do que se esperaria de alguém da Grifinória, mas como era preciso que alguém traísse o Tiago, era necessário que o sujeito fosse da mesma casa que ele pra que isso ocorresse. Novamente exigência do roteiro.

A propósito, nunca entendi como funciona a divisão das casas. Cada uma delas deve ter sempre o mesmo número de alunos? E se a metade dos recém-chegados forem Grifinórios de coração, a casa ficará com alunos demais? "Poxa, eu pretendia te colocar na Lufa-Lufa, mas como a cota dessa casa já deu por hoje, você vai pra Sonserina mesmo."


Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.